Recorda-se da primeira vez que o seu filho vomitou?

Os vómitos são um sintoma comum a inúmeras patologias e são uma causa de grande stress para a criança e para os pais. Identificar a causa dos vómitos pode ser um desafio, considerando que, os mesmos podem envolver diferentes órgãos e sistemas.
Nas crianças, são frequentemente uma situação benigna e tratável apenas com medidas de suporte (sobretudo hidratação). No entanto, existem causas graves de vómitos que devem ser prontamente identificadas.

Um vómito define-se como a expulsão forçada do conteúdo do estômago através da boca e /ou nariz. É diferente de refluxo gastroesofágico ou de regurgitação. Nestas situações, há uma passagem passiva de conteúdo gástrico ou duodenal para o esófago e cavidade oral, como por exemplo, o bolsar dos bebés. "Bolsar em jato" é um termo que pode induzir em erro. Porque jato pressupõe que foi desencadeado o reflexo do vómito e houve intervenção dos músculos para forçar a saída do conteúdo gástrico.

A causa mais frequente de vómitos é a gastroenterite. Nos mais novos, a gastroenterite é provocada sobretudo por vírus, as bactérias e os parasitas são menos frequentes nesta faixa etária. 
Quando o nosso organismo reconhece um agente agressor no estômago, desencadeia o reflexo do vómito para que este seja eliminado. Na maioria das situações, passa espontaneamente e apenas temos que assegurar uma hidratação adequada. 

No entanto, tal como foi referido anteriormente, existem causas graves de vómitos que devem ser identificadas precocemente, uma delas é a estenose do piloro.

Os sinais de estenose pilórica geralmente surgem entre as 3 e as 5 semanas após o nascimento, sendo raro em bebés com mais de 3 meses. Os sinais incluem:

  • Vómitos após as refeições - o bebé vomita com esforço, projectando o alimento com alguma distância (vómito em jato). Inicialmente pode ser moderado mas pode agravar, tornando-se -se mais intenso e podendo conter sangue;
  • Fome persistente - o bebé mostra-se faminto, mesmo após vomitar;
  • Contrações do estômago - é possível observarem-se contrações semelhantes a ondas na barriga do bebé (peristaltase), logo após a refeição e antes de vomitar. Estas contrações devem-se aos músculos do estômago que estão a fazer progredir os alimentos contra resistência.
  • Desidratação - o bebé pode chorar sem lágrimas e pode mostrar-se com menos energia (letárgico). Também vai notar que muda menos fraldas ou que estas ficam menos molhadas;
  • Mudança dos movimentos intestinais - como o tubo digestivo está interrompido, os bebés com este problema fazem menos fezes;
  • Diminuição de peso - a estenose pilórica impede o ganho de peso nos bebés e nalguns casos pode levar mesmo à perda de peso.

Na avaliação de uma criança com vómitos, é necessário ter em atenção alguns sinais de alarme, nomeadamente vómitos nocturnos que acordam a criança, vómito com sangue, distensão abdominal grave, alteração do estado mental e vómitos biliosos.

Nestes casos, deve procurar ajuda de um profissional de saúde ou ligar para a linha Saúde 24. 

 

Escrito por Cátia Alves e João Dinis. Revisto por André Dinis.

Bibliografia

Vomiting in children, T. Matthew Shields and Jenifer R. Lightdale, Pediatrics in Review 2018;39;342
Medscape – Vomiting in the Pediatric age group

Pyloric stenosis - https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/pyloric-stenosis/symptoms-causes/syc-20351416

Murchison L, De Coppi P, Eaton S. Post-natal erythromycin exposure and risk of infantile hypertrophic pyloric stenosis: a systematic review and meta-analysis. Pediatr Surg Int. 2016 Dec;32(12):1147-1152. Epub 2016 Sep 21.

Zhu J, Zhu T, Lin Z, Qu Y, Mu D. Perinatal risk factors for infantile hypertrophic pyloric stenosis: A meta-analysis. J Pediatr Surg. 2017 Sep;52(9):1389-1397. Epub 2017 Mar 15.  doi: 10.1016/j.jpedsurg.2017.02.017